Já estão disponíveis alguns materias do Sr. Daniel Spencer:
Segue abaixo os links dos materias:

Palestra: Hortolândia;

Vídeo: Paixão de Cristo (00:12:00);

Audio Visão: Cinema e TV (01:53:00);

PowerPoint Visão: Apresentação (73 Imag.);´

Audio Música: Hortolândia 04/2008(02:06:00);

PowerPoint Música: Apresentação(71 Imag.).
Entre em contato, deixe um comentário no blog. Envie um e-mail com nome e local para homemdx@gmail.com.

Comentário de Cláudio Giron

Sou Pastor do maior distrito da ARF, UEB. Pregando sábado passado, recebi de uma irmã as palestras em áudio do pregador cabo-verdiano feitas em Hortolândia e agora li todos os comentários postados aqui.
Excelente material, sou reavivalista, há quatro meses tenho pregado sobre reforma, pois não devem andar separados o reavivamento e a reforma. O conteúdo apresentado conheço a maior parte, apresentado por um homem de comunicação como Daniel fica interessante ouvi-lo (no meu caso). Certamente enriquecerão meu trabalho, apesar de duro dizer isto para a igreja, mas tenho feito isto. Certamente contribuirão grandemente para o reavivamento que está ocorrendo aqui.

Considere-se um adventista, que não mantenha comunhão diária com Deus e receba a influência da mídia, dificilmente receberá o selo de Deus. Trabalho muito com jovens e sei bem da superficialidade que a maioria dos nossos membros tem na prática do cristianismo. Creio que antes de entrar em qualquer polêmica, deveria haver uma consagração dos músicos e demais participantes do debate, o que alguns já tem feito. Certamente os pontos de vista seriam melhor respeitados ou mesmo compreendidos.

Entretanto tenho uma observação, há mais de quinze anos a maioria dos Cds adventistas no Brasil, denominacionais (Musicasa e Novo Tempo) ou não, incluem no instrumental bateria, mesmo aqui temos incluído bateria ao vivo em alguns Cultos Jovens, acampjovens e congressos. Nesse sentido posso dar minha opinião, como ele deu a dele. Há excelentes músicas, excelentes apresentações, esteticamente falando, que incluem bateria. Também há alguma coisa que não deveria ser usado por nós, mesmo sendo produzido por adventistas.

3 comentários:

Jeferson Raapack disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Jeferson Raapack disse...

Caro pastor Giron:
Estou aqui sendo um pouco intrometido no seu comentário mas gostaria de levantar alguns questionamentos.
O ritmo de bateria segue padrões estipulados e aprendidos anteriormente; por exemplo, pode haver variação de batidas dentro do estilo pop mas, a base do pop é sempre a mesma. Pode-se variar a batida ao se tocar rock mas, a base da batida rock é sempre a mesma. Pergunto: Qual a batida criada e usada exclusivamente para o sacro ou para a Igreja Adventista?
Na musica Adventista brasileira, por exemplo, só escuto duas variações marcantes: bossa-nova e samba. Samba? Sim, samba. Samba não é necessariamente aquilo que há no carnaval mas todas as variações possíveis que partam da base "samba". Pode-se tocar samba de uma forma bem suave e bastante disfarçada; a base da batida ainda continua sendo samba.
Sendo assim ainda pergunto: quanto nós estamos obedecendo ao que foi escrito "Não ameis o mundo e nem as cousas que há no mundo". Ora se a variação usada é um samba suave ou um bossa-nova disfarçada e incrementada e se a igreja encontra problema para se livrar disso, isto não é amor ao mundo?
E se no céu não houver bateria, os salvos não louvarão a Deus por causa disto?
Gostaria ainda de saber com quais estilos musicais os bateristas adventistas aprenderam e praticaram bateria? Aprenderam com batida gospel? Gospel foi criado por um pianista de blues inspirado em outro compositor que provinha do jazz. Do Gospel surgiram o Rhythm and Blues, Doo Wop, Soul Music. Aliás o Gospel em muitos aspectos absorveu o Negro Spirituals que em alguns momentos se assemelha ao candomblé com embalo do corpo e bater de palmas. Caso o senhor não saiba, gospel é tão imundo, para Deus, quanto o comer carne de porco ou trabalhar para si mesmo aos sábados.
Batida derivada não isenta ela ser do mundo, é tão mundana quanto a sua batida base. É o mesmo que se roubar um centavo dentre um milhão e teimar que não é ladrão só porque a quantia é muito insignificante.

Gisele Simone disse...

Bem interessante...

Penso que nós fomos nos adaptando aos pouquinhos...

Antes o que era inaceitável foi sendo quebrado, amolecido e hoje é engolido sem mastigar.

Que Jesus volte o mais rápido possível. Só assim seu povo vai deixar de se enganar.